Albergaria-a-Velha

António Zambujo vai apresentar o seu mais recente disco “António Zambujo Voz e Violão”

Na noite de 15 de agosto, véspera do Feriado Municipal de Albergaria-a-Velha, António Zambujo vai apresentar o seu mais recente disco “António Zambujo Voz e Violão” num concerto a ter lugar na Alameda 5 de Outubro, pelas 22h00.

A entrada é gratuita, mas sujeita a levantamento de ingresso na Biblioteca Municipal ou [email protected] – Serviço de Atendimento ao Munícipe a partir de amanhã, terça-feira. O espetáculo tem lotação limitada de acordo com as indicações da Direção-Geral da Saúde. De forma a evitar aglomerações, as pessoas deverão chegar com alguma antecedência, estando as portas abertas a partir das 20h30.

Nascido em Beja, a 19 de Setembro de 1975, António Zambujo é um dos maiores artistas, autores e intérpretes contemporâneos da música e da língua portuguesas, e um dos seus mais notáveis embaixadores no mundo.

Ao nono álbum, oitavo de originais, “ António Zambujo Voz e Violão”, o músico inspira-se no nome de um dos discos da sua (e da nossa) vida, “João Voz e Violão”, álbum de João Gilberto editado em 1999, e volta, nada acidentalmente, ao essencial.

António Zambujo incorporou as influências do cancioneiro brasileiro, em particular da Bossa Nova, na sua música, primeiro forjada na tradição do Cante Alentejano e do Fado, de onde partiu para criar uma personalidade única, inspirando um novo ciclo na música portuguesa, ao mesmo tempo que derruba fronteiras, reais ou imaginárias, aproximando os dois lados do Atlântico. Na sua discografia, “Até Pensei Que Fosse Minha”, o álbum de tributo a Chico Buarque que editou em 2016 e que lhe valeu inclusivamente a nomeação para o Grammy Latino no ano seguinte, na categoria de Melhor Disco de MPB, não causou por isso estranheza.

Também não pareceu bizarro que em finais de 2018 tenha chamado “Do Avesso” ao novo álbum de originais, em que voltou a reinventar-se, recorrendo à participação da Orquestra Sinfonietta de Lisboa, e que acabaria por ser distinguido com o Prémio José Afonso 2019. O júri considerou que “Do Avesso” representava «não só a continuação do percurso extremamente coerente de António Zambujo, mas também um ponto alto pela confirmação das suas qualidades interpretativas e a grande inspiração criativa que revela». E são vários os capítulos anteriores desta obra que António Zambujo vem criando, desde a estreia em 2002 com “O Mesmo Fado”, seguido de “Por Meu Cante” (2004), “Outro Sentido” (2009), “Guia” (2010), “Quinto” (2012), e “Rua da Emenda” (2014).

Na infância passada no Alentejo, António Zambujo cresceu com forte ligação à música – começou por estudar clarinete com apenas 8 anos, mas foi sobretudo a tradição viva do Cante Alentejano e do Fado que o fizeram músico. Acabando por fixar-se em Lisboa, onde começou por dividir o tempo entre a experiência diária do Fado e a participação em musicais, vai trilhando um impressionante caminho, marcado por prémios e distinções, com destaque para a comenda da Ordem do Infante D. Henrique, que lhe foi entregue pelo Presidente da República, em 2015.

Há poucos lugares no planeta que não tiveram ainda o privilégio de já terem ouvido a Voz de António Zambujo ao vivo. Com tantos mundos dentro do seu mundo, quer se apresente rodeado de músicos ou apenas acompanhado pela sua guitarra, como teremos agora a oportunidade de assistir nos concertos de “António Zambujo Voz e Violão”, é sempre, como disse Caetano Veloso, 7 álbuns antes, “de arrepiar e fazer chorar”.

Colocar comentário

Clique aqui para colocar um comentário

Todas as Categorias